Sunday, November 26, 2006

Prova real.

Suava frio.
Quando o portão finalmente abriu, caminhou em direção a sala.
"Esse ano de novo não, esse ano de novo. Já conto 3 nessa mesma merda, claro que eu sou capaz".

Entrou na sala, observou os presentes.
"Ah, são esses. A julgar pelo chinelo havaianas e pelas roupas, devem ser pobres... Claro que eu consigo. Uhn... Quantos destes será que vão seguir o mesmo caminho que eu? Ora essa, só porque são pobres estou pensando isso? ... Êta governo ruim, viu só nas coisas que me faz pensar? Bom, relaxa, cara..."

Bateu a hora de início, começou a tremer. A perna direita subia e descia, entregando seu nervosismo na certa.
Não conseguia se concentrar, fez um desenho de dois homens palitos. O primeiro homem retratado dizia em um balão mal desenhado: "Parabéns filho, estou muito orgulhoso de você", o outro dizia: "Obrigado, pai".

Olhou para o relógio e piscou os olhos, tentando se desligar e voltar a concentração inicial; Marcou a alternativa "C" com um círculo redondo e prosseguiu para a pergunta seguinte, voltou a se desconcentrar tentando olhar ao lado para ver em que questão o companheiro de prova já estava.
O fiscal lhe lançou um olhar curioso, arqueando a sobrancelha de um modo vaidoso.
Voltou para a prova, fez mais 10 questões confiante de si; Desenhou na borda da página um casal de namorados palitos, com um coraçãozinho entre as cabeças. Sorriu.
"Matemática cretina...", resmungou apagando um exercício pela décima vez em 5 minutos.
As respostas obtidas não se batiam com as alternativas expostas.

Lá se foi mais 30 minutos, começou a ficar realmente nervoso. O suor corria a sua testa; Ver os companheiros ao lado - aparentemente - tranqüilos lhe deixava incomodado.
Não tinha avançado muito da prova e já tinha gasto quase metade do tempo definido até seu término.
Olhou a sala atentamente, tremia.
- Desculpe, mas... Alguém mais desta sala irá prestar para Administração?
Os vestibulandos se assustaram com a voz cortando o súbito silêncio bruscamente, todos voltaram seus rostos para o rapaz; Não houve resposta. Henry corou.
Três pessoas levantaram a mão, o rapaz observou-as e deu um leve sorriso sem graça, abaixando a cabeça e se voltando para a prova, evitando o olhar de reprovação do Fiscal.

Faltava apenas mais uma hora e trinta minutos para a prova se finalizar, não conseguia resolver de forma alguma as questões de matemática. Tremia.
Um aluno terminou a prova e pôde se retirar, a situação de Henry piorou.
Levantou e mirou as três pessoas que levantaram a mão. Houve gritos de horror e algumas pessoas saíram da sala, outras começaram a chorar sem conseguir se mover. Henry voltou a se sentar e botou as mãos na cabeça tentando solucionar a gritaria.
O sangue escorreu pela sala.
"Menos 3 para a minha vaga..."

Isso é um vestibular. :)

Thursday, November 23, 2006

Celular no ônibus.

"...Não, ela tem noção de como ela é. Ela é bonita, o problema é que ela é gorda. Se fizesse um regime, iria ficar linda... Não, acho que ela tem uma noção que pessoas como ela sofrem um pequeno preconceito... Não, pequeno não. Um GRANDE preconceito; Mas tem homens que ainda gostam de gordinhas..."


... ;*

Monday, November 13, 2006

Good Morning, Lucy!
Everything is going to be okay...
...But here are something you missed this year.
[ Filme ~ Como se fosse a primeira vez]

Novo blog, realmente fiquei farta do outro.
O conteúdo já não me refletia.


[Silenciosamente nós vagamos Em busca da verdade e confidência Tantas esperanças foram perdidas aqui Pelo caminho Da aurora ao anoitecer ] ~Kamelot - Wander.